Home Mais Entrevista Doentes de Almeirim sem dinheiro para medicamentos

Doentes de Almeirim sem dinheiro para medicamentos

Doentes de Almeirim sem dinheiro para medicamentos

No nosso concelho os casos de pessoas com Alzheimer tem aumentado ou diminuído?
À semelhança do que acontece a nível mundial, a tendência é que aumentem o número de casos, devido, em especial à maior longevidade das pessoas. Porém, não existem dados estatísticos que nos permitam dizer com total fiabilidade qual é este aumento.

O aumento da população idosa potencia o aparecimento da doença?
É um fator de risco, porque tendencialmente a doença afeta pessoas com mais idade.

Que tipo de trabalho tem feito a Associação no nosso Concelho?
A Associação Alzheimer Portugal tem procurado através do seu Núcleo do Ribatejo promover a informação e consciencialização da população para os sintomas e dificuldades da doença. O Objetivo é que as pessoas e os familiares possam procurar ajuda o mais atempadamente possível, de forma a que a doença não avance tão rapidamente. Para tal, têm sido realizadas diversas iniciativas de divulgação. Outra dimensão fundamental é a Formação, aposta prioritária da Associação. Tem disso realizados anualmente Curso de Formação para Cuidadores Formais das Instituições do Concelho/Distrito. Ao longo do ano são, ainda, realizadas ações mais curtas sobre diversas temáticas relacionadas com a doença e os cuidados a prestar, o que tem acontecido em muitas Instituições para idosos do Distrito. De forma, igualmente importante são prestados os apoios diretos às pessoas com demência, através de intervenção especializada, de forma a retardar a evolução da doença- O apoio aos cuidadores é imprescindível, quer a nível social (informações acerca dos direitos, de equipamentos, de ajudas técnicas, etc) e a nível psicológico, com a realização de consultas de psicologia para Cuidadores. De salientar um outro projeto “A Kelembra esqueceu” em parceria com ao grupamento de Escolas de Almeirim e a Universidade Sénior e a Câmara Municipal, cujo objetivo é deixar uma mensagem esclarecedora e `”a medida” das crianças sobre a doença (muitos deles convivem com avós com esta doença) e sobre a importância dos mais velhos e de os ajudar. O Trabalho do Núcleo do Ribatejo procura sempre ser em rede e parceria com diversas entidades, pois, só assim é possível chegarmos com a nossa Mensagem mais longe: ter Demência não é estar sozinho, isolado e sem apoio. Temos por isso, em mente, fazermos mais atividades este ano, tal como associar-nos à prova dos 20Km de Almeirim, de forma, a que esta mensagem possa chegar, a partir da nossa cidade, a todo o país.

É muito importante o diagnóstico precoce?
Fundamental. Só com este diagnóstico é possível intervir atempadamente a nível da medicação e intervenção Não Farmacológica (terapias específicas e adaptadas para pessoas com demência). Ambos em simultâneo e quanto mais cedo, podem estabilizar o corso da doença, embora, esta continua a não ter cura.

O grande problema é porque afeta também muito diretamente as pessoas próximas?
É também, por isso, chamada doença da família. Porque exige uma grande carga de cuidados e uma disponibilidade emocional contínua. Para além de uma sobrecarga financeira exigida pelos cuidados a prestar ao doente, que se traduzem por vezes em problemas de saúde (depressão, transtornos do sono, de ansiedade, etc) para os familiares. Os amigos, muitos vezes afastam-se, muitas vezes por não saberem lidar com as mudanças que a doença acarreta para o doente, o que é dramático para a família que acaba por ficar isolada socialmente.

A crise económica leva a que as pessoas não tenham dinheiro para os medicamentos que a doença precisa?
Esta medicação é fundamental e cara. Infelizmente acontece com muita frequência. Às vezes, a escolha impõe-se: ou se come ou se compra os medicamentos.

Há situações destas no nosso concelho?
Há.

O que poderá ser feito para as ajudar?
A Associação tem feito um esforço, difícil, para ajudar. Há alguns anos existiu um programa da Associação que permitia a quem se candidatava ter esse medicamento para a demência a um custo muito reduzido. Não tem sido fácil replicar este programas. Os apoios são praticamente nulos.